01/11/2018 O mês do azul

Após o Outubro Rosa, novembro inicia azul em alerta ao câncer de próstata

O mês de novembro chegou e com ele iniciam as campanhas de atenção e cuidado ao câncer de próstata. No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre homens e em 2018 a estimativa é de mais de 68 mil novos casos. Segundo dados do INCA – Instituto Nacional do Câncer, 75% dos casos no mundo ocorrem em pessoas do sexo masculino com mais de 65 anos.

Mesmo com a alta incidência apenas em homens da terceira idade, o ideal é que os primeiros exames sejam realizados com 50 anos de idade. “O crescimento no número de casos no país também se deve ao fato da melhoria no diagnóstico e pelo aumento da expectativa de vida do brasileiro”, explica Celio Kussumoto, oncologista do C.H.O - Centro de Hematologia e Oncologia.

Assim como outros tipos de câncer, manter hábitos saudáveis e uma alimentação balanceada contribuem na prevenção do câncer de próstata. Estudos realizados por cientistas britânicos destacam que o IMC (índice de massa corporal) elevado está associado ao risco de morte por câncer de próstata. A pesquisa observou, ainda, que 10 cm a mais na circunferência abdominal em comparação aos dados da OMS, que indicam o ideal entre 94 e 102cm, as chances de morrer por câncer de próstata aumentam em 18%.

“A campanha do Novembro Azul está aí para reforçarmos a importância da alimentação, dos hábitos saudáveis, da prática de exercício físico e também da visita regular ao médico para melhorar a saúde geral do homem e prevenir o câncer de próstata. O câncer de próstata tem cura e quanto mais aberta for sua consciência, maior a chance de vencê-lo.”, destaca o oncologista. 

Saiba mais:

A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen, abaixo da bexiga e à frente do reto. Ela produz parte do sêmen, líquido espesso que contém os espermatozoides e é essencial para a reprodução humana.

Os principais sintomas são a dificuldade de urinar durante o dia ou à noite, urina escura ou com sangue e ardência ao urinar. Os tratamentos estão cada vez mais avançados e são individualizados, podendo ser a retirada cirúrgica da próstata, quimioterapia, radioterapia e a combinação de tratamentos hormonais com cirúrgicos. 


Outras Notícias