Os tratamentos para câncer apresentam diversos impactos na vida e rotina dos pacientes, afinal, durante o enfrentamento da doença, o organismo passa por algumas mudanças devido ao combate das células doentes, o que resulta em alguns efeitos colaterais.

Acompanhe nossas dicas para amenizar os principais desconfortos causados:

Os remédios usados para combater as células doentes também destroem algumas das células sadias do nosso organismo. As células mais afetadas são as do sangue, como os glóbulos brancos, que defendem nosso organismo de infecções, os glóbulos vermelhos, que transportam oxigênio para todas as partes do nosso corpo, e as plaquetas, que atuam na coagulação do sangue. Quando as taxas sanguíneas diminuem, podem aparecer sintomas como cansaço aos pequenos esforços, falta de ar, palidez, febre, pintas avermelhadas na pele, manchas roxas e vermelhas e sangramentos. Recomenda-se:

- Manter boa higiene corporal e bucal;
- Inspecionar regularmente a pele, boca, ouvido e nariz à procura de alguma lesão e/ou manchas;
- Proteger a pele de ferimentos ao se depilar, barbear, cortar as unhas e não espremer cravos e espinhas;
- Procurar ter um bom sono e repouso;
- Manter uma dieta saudável, rica em legumes, verduras, frutas e cereais e pobre em gorduras;
- Medir a temperatura sempre que perceber qualquer alteração.

A boca seca pode ser causada pela quimioterapia ou radioterapia, que prejudicam as glândulas salivares. A boca seca causada pela quimioterapia torna a saliva mais espessa, provocando a sensação de secura, que geralmente é temporária e se reverte de duas a oito semanas após o término do tratamento. Recomenda-se:

- Ir ao dentista antes de iniciar o tratamento, radioterápico ou quimioterápico, para verificar a saúde da boca e dos dentes;
- Estimule a produção de saliva com balas de limão, chicletes sem açúcar ou picolés;
- Escovar os dentes pelo menos quatro vezes por dia, com escova de cerdas macias e creme dental com flúor;
- Passar fio dental suavemente uma vez por dia;
- Enxaguar a boca três vezes ao dia, especialmente após as refeições, com solução de bicarbonato de sódio (01 copo com água e 01 colher de chá de bicabornato de sódio). Fazer o bochecho por 3 minutos e jogar fora não engolir;
- Tome água, em goles de tempos em tempos curtos;
- Manter os lábios protegidos com umectantes sem cheiro e sem sabor;
- Evite alimentos muito quentes ou muito temperados;
- Preferir dieta semi-líquida com alimentos de alta umidade (pois assim fica mais fácil de engolir);
- Consuma frutas com alto teor de líquidos (ex.: melancia, laranja, pêra), mas cuidando com frutas ácidas quando houver feridas na boca;
- Consuma bebidas geladas, sucos ricos em vitaminas C (acerola, limonada, laranjada), picolés, sorvetes de frutas, chá com limão, picolés de água de coco, etc;
- Evitar lamber os lábios, pois, ao invés de umedecê-los, irá ressecá-los ainda mais; use manteiga de cacau nos lábios e faça higiene da boca com frequência;
- Evitar alimentos secos, pães, torradas, bolachas e álcool.

Ocorre quando há alterações no volume, frequência e consistência das fezes em um período de 24 horas. Alguns remédios podem causar diarreia em maior ou menor intensidade. Recomenda-se:
- Dar preferência a alimentos sem gorduras e condimentos como: arroz, batata, cenoura, banana, maçã, caju, goiaba, frango;
- Beber pelo menos dois litros de líquido (água, sucos, chás, refrescos, por exemplo) por dia. Caso persista a diarreia por mais de dois dias, procure pronto atendimento.

Às vezes pode-se sentir formigamento ou dormência, outras vezes, é como uma pontada ou uma ardência ou ainda aumento da sensibilidade à temperatura. Pode apresentar-se uma dor intensa que pode tornar difícil executar tarefas rotineiras, como abotoar a camisa, contar moedas ou caminhar. Começa geralmente nas mãos e nos pés, e sobe gradualmente pelos braços e pernas.

Alguns remédios utilizados produzem uma irritação nas paredes do estômago e intestino, causando enjoos e/ou vômitos. Nesses casos, recomenda-se:

- Tomar os remédios contra enjoos e vômitos conforme orientação médica, e não somente quando apresentar os sintomas;
- Evitar alimentos e carnes gordurosas e condimentadas (pimenta, cominho);
- Alimentos frios ou em temperatura ambiente e bebidas gasosas são bem tolerados (sorvetes, gelatina); - procurar se alimentar mais vezes por dia e em pequenas quantidades;
- Procurar se alimentar em ambiente calmo e tranquilo e livre de odores;
- Mastigar bem os alimentos;
- Não realizar esforços físicos após as refeições.

Muitos pacientes em tratamento do câncer sentem-se cansados e sem energia, é o que chamamos de fadiga. Podem ser inúmeras causas como: da própria doença, do tratamento como cirurgia, quimioterapia, radioterapia, como também pode ser de fatores como stress e ansiedade, dor, falta de sono tranquilo, contagem baixa das células do sangue, alimentação inadequada etc. Nem todos sentem a fadiga e mesmo os que sentem pode ser diferente de uma pessoa para outra. O que você pode fazer:

- Planejar o seu dia com intervalos de descanso alternados com as suas atividades diárias;
- Não descanse por períodos prolongados demais, pois isto, às vezes, deixa a pessoa ainda mais cansada e sem ânimo;
- Durma mais no período da noite e descanse um pouco durante o dia;
- Guarde suas energias para as coisas de maior importância;
- Observe: Fazer pequenas caminhadas ou alguns exercícios leves pode ajudar;
- Procure tentar terapias complementares como ioga, meditação, visualização, oração etc. Isto, às vezes, pode ajudar;
- Peça ajuda a familiares e amigos se precisar, principalmente nas tarefas mais difíceis como cuidar de crianças, fazer compras, tarefas de casa mais pesadas, dirigir etc;
- Quando estiver deitado sente-se primeiro e depois se levante; e quando estiver sentado, levante-se devagar. Isto evitará tontura.
- Procure alimentar-se bem;
- Beba bastante líquidos.

No caso de pacientes com câncer, a febre (temperatura igual ou superior a 37,8º C) pode ser um sinal de infecção causada pela diminuição das células de defesa ou uma reação do organismo aos agentes quimioterápicos. Nem sempre a febre indica infecção. Contudo, no paciente que faz quimioterapia, em virtude de a imunidade estar prejudicada, sempre valorizamos a febre. Para afirmar a existência de febre, é obrigatória a medida com termômetro. Sensações inespecíficas como calor ou frio excessivo, beijo na testa ou “estar amolado” não fazem o diagnóstico de febre. A fase de maior risco de infecção é o período de 10 a 14 dias após a aplicação da quimioterapia. Recomenda-se:

- Habitua-se a lavar as mãos com água e sabão frequentemente;
- Higienize bem as frutas e verduras;
- Evite contato com pessoas com doenças infecciosas (gripes, tuberculose, etc.);
- Não tome vacina sem falar com seu oncologista;
- Comunique imediatamente seu médico em caso de febre superior a 37,8º C.

A quimioterapia pode provocar o aparecimento de feridas na boca, estômago e intestino. Recomenda-se: - Inspecionar diariamente a boca observando aparecimento de alterações na gengiva, boca, dente como pontos vermelhos e/ou brancos, sangramento e dor;

- Manter a boca sempre limpa, principalmente após as refeições, utilizando escova de dente com cerdas macias;
- Não utilize soluções para enxague bucal que contenham álcool;
- Evitar alimentos ácidos, condimentados, de consistência dura e quente;
- Dar preferência aos alimentos gelados, líquidos e pastosos.
- Faça bochechos com chá de camomila e malva

Alguns remédios utilizados no tratamento quimioterápico podem causar escurecimento da pele quando exposta aos raios solares, principalmente nas dobras das articulações, nas unhas e no trajeto das veias. Recomenda-se:

- Usar protetor solar diariamente com fator mínimo de 30 em toda região do corpo que fica exposta. Lembre-se de repassar durante o dia.

Caso ocorra diminuição ou perda do apetite (anorexia), ou alteração no paladar (sabor dos alimentos) algumas dicas poderão lhe ajudar:

- Coma pequenas porções em intervalos frequentes;
- Se possível, não fique próximo à cozinha durante o preparo dos alimentos;
- Evite tomar líquido na hora da refeição;
- Antes da alimentação e após comer, procure caminhar calmamente;
- Coma devagar, mastigando bem os alimentos;
- A aparência do prato ajuda muito;
- Procure comer o QUE GOSTA e, principalmente, alimentos que tenham muitas calorias e proteínas como: ovo, mel, iogurte, carne, queijo, peixe, leite, chocolate, feijão, ervilha, azeite, nozes, frutas secas, biscoitos, sorvetes etc;
- Coma em um ambiente calmo, limpo e longe de cheiros fortes;
- Algumas gotas de limão na comida ajudam a estimular o gosto;
- Variar os alimentos entre carne, frango, ovos, peixe e queijo;
- Varie sua dieta com novas comidas e receitas;
- Se não estiver com a boca ferida, use balas azedas e de hortelã ou menta (às vezes ajudam a melhorar o gosto e a saliva).
- Faça bochechos antes das refeições;
- Lembre-se: O importante não é a quantidade dos alimentos e sim a QUALIDADE. Procurar alimentos que podem lhe fornecer nutrientes e calorias, mesmo consumidos em pequenas quantidades e como lanches;
- Na dúvida converse com a nutricionista.

Ocorre quando há dificuldade de evacuar e/ou quando há retenção de fezes por vários dias. Recomenda-se:

- Optar por alimentos ricos em fibras como: laranja, mamão, ameixa, uva, vegetais e cereais integrais;
- Beber mais líquidos (água, sucos, refrescos, por exemplo);
- Realizar alguns exercícios físicos leves como, por exemplo, caminhar;
- Estabelecer um horário regular para evacuar caso a prisão de ventre persista, procure pronto atendimento.

Pode ser total ou parcial e leva geralmente de 14 a 21 dias. Alguns pacientes nessa fase preferem cortar o cabelo antes de cair. Outros já preferem esperar que ele caia para, então, tomar a decisão de cortar e/ou usar bonés, lenços e perucas. Não se preocupe, pois este efeito é temporário e reversível e o cabelo/pelos voltará a crescer após o término da quimioterapia. Recomenda-se: - Corte seu cabelo mais curto que o habitual quando ele começar a cair; - Use bonés, bandanas lenços ou peruca; - Aplique filtro solar FPS30 no couro cabeludo quando estiver exposto ao sol; - Prefira shampoo neutro, limite o uso do secador e evite o uso de tinturas e outros produtos químicos.

Além dos efeitos colaterais citados acima, a quimioterapia pode causar outros efeitos como artalgia (dores nas articulações), formigamento, perda de sensibilidade nas mãos e pés, dor de estomago, dificuldades de pegar objetos e abotoar roupas, escurecimento da veia, unhas fracas e quebradiças, diminuição da audição, aparecimento de espinhas e cravos (acne), alteração na coloração da urina, alterações menstruais, secura vaginal, sensação de calor, sensibilidade ao frio, alteração do desejo sexual, etc.

Isto não significa que você terá a maioria ou todos estes efeitos. Poderá ou não ter alguns deles. Alguns cuidados específicos para cada tipo de efeito são necessários. Você jamais poderá esquecer que deve sempre falar sobre o que está sentindo a Equipe que o trata e, também, perguntar sobre qualquer dúvida que possa ter. Nunca desvalorize um sintoma ou efeito e NÃO SINTA VERGONHA de perguntar. A Equipe multiprofissional da quimioterapia está preparada para responder, tirar as suas dúvidas e ajudá-lo no que for possível.

– Aumento da temperatura corpórea (temperatura igual ou maior a 37,8º C);
– Falta de ar ou dificuldade respiratória;
– Sensação de dor ou ardência ao urinar, dificuldade de controlar a urina;
– Dificuldade na visão (dupla ou borrada);
– Dor de localização ou intensidade anormal;
– Sangramento em qualquer região;
– Manchas ou placas avermelhadas pelo corpo;
– Diarreia abundante (mais de quatro evacuações/dia).

Seja Voluntário

Seja Voluntário

Pesquisas Clínicas

Conheça o CHO

Conheça o CHO

Conheça o CHO

CHO Centro

Rua: Alexandre Dohler, 129 - Sala 706
Centro - Joinville/SC - CEP: 89201-260
Fone: (47) 3433-1849

CHO Unimed

R. Orestes Guimarães, 905
Centro, Joinville - SC, 89204-061
Fone: (47) 3441-4007

CHO Pesquisas

Rua: Alexandre Dohler, 129 - Sala 1003
Centro - Joinville/SC - CEP: 89201-260
Fone: (47) 3433-1849 ramal 218

Abrir conversa
Precisa de ajuda?
Olá, podemos ajudar?